segunda-feira, 30 de setembro de 2013

SUTIS ESCOLHAS

Obax anafisa.


Há muito vento nas copas das árvores
Mesmos as sem folhas não estão imóveis
Algumas ao sabor dos ventos
Outras saboreando os ventos.

Ah! Que vontade de chorar
Reclamar
Blasfemar
Gritar
Lamentar
Mas para quê?
Minha angústia não se calará
Minha insatisfação não se saciará
Minha incapacidade não se capacitará
Minha dor não se aliviará
Meus resmungos não se inquietarão
Talvez até me alivie
Como o solitário que se auto-alivia na solidão
Mas a origem de tudo
Não deixará de ter me consumido.

O ar está carregado de pó
Cheirá-lo ou aspirar flores
Ou sentir o toque do vento em meu corpo
São livres arbítrios encantadores.
Ou aterradores.


Ofereço como presente de aniversário:
Rodrigo Poeta, Chrislaine Sabatine, Agnaldo Bicalho, Jésus Guimarães, Fábio Nascimento, Mayara Ferreira, Nei Gomes, Erica Fernandes e Siloene de Oliveira.

Estou contente! Em breve o ebook bilingue (espanhol-português) de poemas URDIDUMBRE – URDUME. Espero que adquira e creio que vai gostar.

Em banto, obax anafisa significam flores e pedras preciosas. O texto é minhas flores para você e faço votos de que encontre nele pedras preciosas.


Escrito entre 15 de agosto e 30 de setembro de 2013.

2 comentários:

Laudemir Silva disse...

Muito bom o texto...ele me fez refletir e lavar a minha alma.

Ana Lúcia Pena disse...

Acho que ando como as folhas que estão saboreando os ventos. Reclamar não muda nada e ainda aumenta o fardo. Estava iluminado quando o escreveu. Abração,