domingo, 25 de dezembro de 2016

TRÁFEGO DE BORBOLETAS

TRÁFICO DE MARIPOSAS


Potira itapitanga.
Cada povo tem o governo que o desmerece porque merece.

Contudo:
Amanhã será aniversário de minha mãe.
Felicidades hoje e sempre, mamãe;
e muito obrigado por tudo.

Adeus ano velho!
¡Adiós año viejo!
Good bay old year.

Recomendo o vídeo sugerido por Luís Gonzáles:


Em português

Novembro natalizado
Comemora-se a compra
Amor comercializado
Conservo-me, porém, flor.
Tento trafegar pela BR
Mas borboletas amarelas a congestionam
Tanto há que me fere
Mas elas me emocionam.

- Bonitinho o poema...
Diz, mas pensa “não entendi nadinha, nadinha”. Enquanto pensa e eu sei que pensa – talvez não raciocina, mas pensa... – eu lhe entrego o meu presente.
- Pra mim? Obrigada... Mas eu não lhe comprei nada…
- Não tem problema. Comprei porque quis, não para ganhar outro.
- Mas assim não vale. Tem que ter troca de presentes. E boas comidas. E boas bebidas. E muita gente. Vem de noite que lhe darei um presente.
- Tudo bem.
Saio sem dizer o que penso. Soaria como lição de moral se eu dissesse que troca de presentes é comércio, escambo e não doação? A gente dá porque gosta, não para ter outro em troca. Ou assim deveria ser... É claro que é bom ter boas comidas e bebidas. Mas será que não seria melhor ter menos gente, mas que sejam boas pessoas?
Com estas reflexões que temo soarem como lição de moral eu compro mantimentos porque os de casa já estavam no fim. Com esta necessidade satisfeita vou pensando ainda mais nas borboletas e...
Christmas’s Trenzinho. Este equipamento recebe prevent maintenance e é vistoriado diariamente. Caso queira contratar nossos brinquedos para eventos indoor e outdoor para centros comerciais entre em contato conosco. Também vendemos bichinhos de estimação. Temos fish, dog and cat. Mas se precisar de calçados, visite nosso departamento dreams dos pés.
- Benito! Bom ver você, cara!
- Oi! Bom te ver também.
- Onde vai passar o Natal?
- Em casa. Amanhã é que farei uma coisinha simples. Na verdade, que comprei no Tuffik Cozinha Árabe.
- Rirri. No Natal do Menino Jesus vocês vão comer comida de Alá...
- Rerrê. É! Um pouco mais de sincretismo é bão.


En español

Noviembre ‘navidado’
Se celebra a las compras
Amor comercializado
Me conservo, todavía, flor.
Intento transitar por la autopista
Pero mariposas amarillas la congestionan.
Tanto hay que me hiere
Pero ellas me emocionan.

- Divertido poema…
- Dijo, pero piensa “no comprendí nada, nada”. Mientras piensa y sé que piensa – tal vez no raciocina, pero piensa… – le doy mi regalo.
- ¿Para mí? Gracias… Pero no le compré nada…
- No pasa nada. Compré porque quise, no para ganar otro.
- Eso no puede ser. Hay que cambiar regalos. Y tener buenas comidas. Y buenas bebidas. Y mucha gente. Vuelve por la noche que lo daré un regalo.
- ¡Sí, volveré!
Salgo sin decir lo que pienso. ¿Sonaría como si fuera lección de moral si dijese que cambios de regalo es comercio, trueque y no donación? Donamos porque es agradable, no para tener otro en cambio. O así debería ser… Es facto que es bueno tener buenas comidas y bebidas. Sin embargo, ¿será qué no sería mejor tener menos gente, mas que sean buenas personas?
Con estas reflexiones que temo sonaren como lección de moral compro los mantenimientos porque los de mi casa ya estaban en el fin. Con esta necesidad satisfecha me voy pensando todavía más en las mariposas y…
Christmas’s Tren. Este aparato recibe prevent maintenance y es inspeccionado diariamente. Si deseas contractar nuestros juguetes para evento indoor y outdoor para centros comerciales entre en contacto con nosotros. También vendemos mascotas. Tenemos fish, dog and cat. Pero si necesitar de calzados, visite nuestro departamento dreams de los pies.
- ¡Benito! Me gusta verte, hombre.
- ¡Hola! También me gusta verte.
- ¿De dónde va pasar la Navidad?
- En casa. Mañana es que haré una cosa sencilla. En verdad, que compré en el Tuffik Cocina Árabe.
- Jijí. En la Navidad del Niño Jesús se van a comer comida de Alá…
- Jejé. ¡Verdad! Un poco más de sincretismo es buenísimo.


Ofereço como presente aos aniversariantes:
Deiverson Tófano, Éderson Caldas, Simone Silva, Arto Freitas, Italo Rafael, Souza Maria, Didier Ferreira, Kívia Kiara, Joaquim Tiago, Ivanete Valverde, Melyssa Freitas, Marconio Souza, Gustavo A. Spada, Nathy Costa e Pedro Pacheco.

Recomendo a leitura de “Ceia de Natal”, de Vinícius Siman; “Certacolia e Belacolia”, deste que vos fala; “Prólogo a los sorias de Alberto Laiseca”, de Javier Villanueva; e “Fotografia”, de Xúnior Matraga. Respectivamente nos endereços:


Manuscrito em português por volta de meio dia de 16 de dezembro de 2015 ao observar diversos cartazes em um shopping. E trabalhado nas duas línguas entre 09 de janeiro e 25 de dezembro de 2016.

domingo, 18 de dezembro de 2016

O MUNDO DANÇA

EL MUNDO BAILA – WORLD DANCING


Potira itapitanga.
Cada povo tem o governo que o desmerece porque merece.


Em português

Uma árvore verde possui bolas vermelhas e amarelas em seus galhos. Um pássaro vermelho e preto vive nela. E ele canta para o Sol entre as nuvens.
Um homem tem uma arma em sua mão.
O pássaro está morto. As nuvens choram. O Sol não brilha. A árvore ficou sozinha.
Entretanto, o homem tem um livro preto. Ele reza e sorri em paz.


En español

Un árbol verde lleva pelotas rojas y amarillas en sus ramas. Un pájaro rojo y negro vive en él. Y él canta para el Sol entre las nubes.
Un hombre tiene un arma en su mano.
El pájaro está muerto. Las nubes lloran. El Sol no brilla. El árbol se queda solo.
Sin embargo, el hombre tiene un libro negro. Él hace plegarías y sonreír en paz.


In English

A green tree has red and yellow balls in your branch. A red and black bird lives in it. It sings to Sun between clouds.
A man has gun in your hand.
The bird is dead. The clouds weep. The Sun not shines. The tree is alone.
But, the man has a black book. He prays and smiles in peace now.


Ofereço como presente aos aniversariantes:
Rodrigo P. Di Stani, Ícaro Freitas, Eliés F. Souza, Joe Arthuso, Jhony Uriel, Renata Matos, Clayton Heringer, Alexsandra Gregório, Carlos W. Barbosa, Fabiana Ribeiro, Juliana Novaes, Joyce Oliveira, Alison W. Martins e Natalia Coutto.

Recomendo a leitura de “Tá Declarado”, de Xúnior Matraga; “Triste História dum Artista Triste”, de Vinícius Siman; e “Perfume e Estertores”, deste que vos fala.


Escrito originalmente em inglês na tarde de 05 de janeiro de 2016. Reescrito em espanhol na noite que lhe seguiu. Trabalhado nas três línguas entre os dias 29 de fevereiro e 18 de dezembro do mesmo ano.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

A CHUVA E A VIDA

LA LLUVIA Y LA VIDA


Quando um homem não valoriza o que faz, acaba não se valorizando. Quando um homem diminuiu o seu valor, acaba diminuindo o valor de sua vida. Quando a vida perde o valor, que sentido há em vivê-la?
(KONDO, 2015)


Em português

O domingo está chuvoso, mas ainda assim o Feirarte aconteceu; capengando, mas teve.
- Na rua, sapatos velhos jogados entre galhos secos e o pó preto da fábrica. Na rua, gente se joga na sujeira que se fabrica. Da rua, ninguém por eles briga. Na rua, sapatos velhos, gente viciada, ninguém e pó-bre-pre-to.
Declama Uque, um dos quatro hippies que conheci. E Igor, o único novinho deles, diz:
- Somos tronco e membros... Mas onde está a cabeça?
- Onde? Não quem é a cabeça?
- O que eu disse, disse!
Nauhlm (pronuncia-se algo anasalado: Naulm), o mais velho e mais filosófico dos quatro, proclama que somos seres tríplices; tudo é tríplice. Ou seja, universo, galáxia e sistema solar; ou planeta, continente e país; ou país, estado e cidade; ou manhã, tarde e noite; ou corpo, mente e espirito; ou vida, desejo e morte; ou pai, mãe e filho; humanidade, sociedade/comunidade e família; ou...
Enquanto isso tudo acontece, Lobo fica calado. Só ouvindo, observando e no celular. Então eu disse:
- Donga, desconhecido como Ernesto dos Santos, mas é reconhecido como o autor, junto com Mauro de Almeida, de “Pelo Telefone”. O tango foi registrado em 27 de novembro de 1916 e é considerado pela Biblioteca Nacional do Brasil como o primeiro samba. É engraçado que a letra original sofreu uma paródia falando da tolerância da polícia em relação aos cassinos; e esta acabou prevalecendo em detrimento daquela.
- 27 de novembro? Então poucas semanas atrás fez um século... Mas... O que interessa isso? – Falou com o tato que a sociedade tem para o povo.
- Fabrico vidas falsas / Sou, portanto, criatura malsã, / Minhas personagens não existem / Por isso há quem se mantém.
- Que valor você tem? – Diz com seus ouvidos moucos ao poema.
- O meu. Apenas o meu.
- Nenhum, então.
- É bem possível. Ou talvez eu seja uma história de André Kondo.
- Nunca ouvi falar.
- Surpreenderia-me se o conhecesse.
A música não me agrada, a conversa é interessante e – delícia! – a chuva ainda cai.


En español

El domingo está lluvioso, pero ni mismo así el Feirarte se quedó vacío; tuerto, pero ocurrió.
- En la calle, zapatos viejos lanzados entre ramas secas y el podrido polvo de la fábrica. En la calle, gente se lanza en la suciedad que se fabrica. De la calle, nadie por ellos pelean. En la calle, zapatos viejos, gente viciada, nadie y el podrido-pueblo-polvo…
Declama Uque, uno de los cuatro hippies que conocí. E Igor, el único menudo de ellos, dijo:
- Somos tronco y miembros… Pero, ¿a dónde se queda la cabeza?
- ¿Dónde se queda? ¿No quién es la cabeza?
- Que dije, ¡dije!
Nauhlm (se pronuncia algo nasalizado: Nauln), lo mayor y más filosófico de los cuatro, proclama que somos seres tríplices; todo es tríplice. O sea, universo, galaxia y sistema solar; o planeta, continente y país; o país, departamento/provincia y ciudad; o mañana, tarde y noche; o cuerpo, mente y espíritu; o vida, deseo y muerte; o padre, madre e hijo; o humanidad, sociedad/comunidad y familia; o…
Mientras todo eso ocurre, Lobo se queda callado. Solo escuchando, observando y en el móvil. Entonces dije:
- Donga, desconocido como Ernesto dos Santos, pero es reconocido como autor, junto a Mauro de Almeida, de “Pelo Telefone”, “por el teléfono” en español. El tango fue registrado en veintisiete de noviembre de mil novecientos dieciséis y es considerado por la Biblioteca Nacional de Brasil como el primer samba. Una cosa divertida a saber es que la letra original sufrió una parodia hablando de la tolerancia de la policía en relación a los casinos; y esta se prevaleció en detrimento de aquella.
- ¿27 de noviembre? Entonces pocas semanas pasadas la canción completó un siglo… Pero… ¿Qué nos interesa eso? – Habló con el tacto que la sociedad tiene para el pueblo.
- Fabrico vidas falsas / Soy, por lo tanto, criatura malsana, / Mis personajes no existen / Por eso hay quien se mantiene.
- ¿Qué valor tienes? – Dijo con sus oídos sordos al poema.
- El mío. Solamente el mío.
- Ningún, entonces.
- Es bien posible. O tal vez yo sea una historia del brasileño André Kondo.
- Nunca he oído hablar de él.
- Me sorprendería si lo conociese.
La música no me gusta, la charla es interesante y – ¡delicia! – la lluvia aún cae.


Ofereço como presente aos aniversariantes
Mikael V. Zeleke, Ione Dumont, Lenilson Fonsêca, Patricia Rodrigues, Heloisa Davino, Martínez John, Dado Aragon, Renata Sousa, Lucas Alvisi, Kemilly Almeida, Marilene Tuler, Aninha Pjl, Fábio S. Rodrigues, Mila Eduarda, Gerci Santos, Thaylyny Emanuela, Drika Nunes e Jamille Amaro.

Recomendo a leitura de “Em tempos de golpe, a importância de assistir ‘3%’”, de Vinícius Siman; “Ruim Bão”, deste que vos fala; “Uma Feliz Coincidência”, de Sued; “Los Condenados de la tierra. Frantiz Fanon”, de Javier Villanueva; e “Ferreira Gular”, de Rosa da Serra.

KONDO, André. Contos do Sol Renascente. Jundiaí: Telucazu Edições, 2015. Página 30.


Escrito entre 27 de novembro e 12 de dezembro de 2016.

domingo, 4 de dezembro de 2016

PELA JANELA

POR LA VENTANA – THROUGH THE WINDOW


Sembrando hogueras, donde joven y desnuda la imaginación se quema.
LORCA, 2001


Em português

Antes da igreja, as aulas. Em ambas ouviu sobre a condição da mulher com uma missão. E depois de tudo, em seu quarto:
Ela abriu seus negros olhos. Pela janela viu um escuro céu. Pegou seus negros cabelos. Extasiada, pôs as mãos em seu negro buquê e foi muuuito bom.
Percebeu-se mulher e ser humano.


En español

Antes de la iglesia, las clases. En ambas oyó sobre la condición de la mujer con una misión. Y después de todo, en su habitación:
Ella abrió sus negros ojos. Un oscuro cielo vio por la ventana. Cogió sus negros pelos. Extasiada, puso las manos en su negro buqué y fue buenísimo.
Se percibió mujer y ser humano.


In English

Before the church, the class. In both heard about the condition of the woman with a mission. And after all, in your room:
She opened her black eyes. A dark sky she saw through the window. She took her black hair. In ecstasy, she places hands in her black posy and was good.
She perceived herself is women and human.


Ofereço como presente aos aniversariantes
Lorrayne Sancar, Welington G. Silva, Vanda Ribeiro, Alcemar Ferreira, Patrick Castro, Larissa SA, Ricardo Escudero, Cleber L. Assis, Regina M.T.P. Simao, Alfredo Pires, Xúnior Matraga, Chimeni Lins, André Resende, Camila Santos e Rayssa Rangel.

Recomendo a leitura de meu poema Vivo?; no Ad Sustantiam:

LORCA, Federico García. Antología. Madrid: LIBSA, 2001.


Escrito originalmente em inglês na noite de 14 de janeiro de 2015. Trabalhado nas três línguas entre os dias 01 de outubro e 04 de dezembro de 2016.