segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

TESOUROS

TESOROS


Ah, luna! Il suo incostanti.
Oggi qui, domani là,
Ieri piena, calante oggi
Diversa me fa sorridere.

Potira itapitanga.


Em português

Tem gente bonita por dentro
Parece que come flor
Tem seres tão bolorentos
Que fedem a couve-flor.

Copas de árvores
Copulam com o céu
Cantam limpos purificando
Cantos de meu belo ser

Ah, lua! Sua inconstante.
Hoje aqui, amanhã ali
Ontem cheia, hoje minguante
Diversa me faz sorri.

A lua solitária no céu
Invisível canto de pássaros
Nuvens escuras no escuro céu
Invisível ser alheio aos pássaros.

As nuvens no fim da madrugada
Colorem-se de negro e vermelho
Uma se assemelha a pai e filho
Trocando palavras aljofradas.

Sorriso da lua minguante
Corrida do rio barroso
Paira e atravessa Ipatinga
Pondo-a insinuante.

Lua sorriso branco
Nuvens cinzas, vermelhas, laranjas
Árvores e árvores verdes
Rio barroso marrom
Cantos pássaros
E eu solidão acompanhada.

Solidão
A inevitável solidão
Tão falada, tão...
A acompanhada solidão.

A distante montanha
Diante de mim
Por mais que eu adiante
Minha força não adianta
Se não leio.


En español

Hay gente tan guapa por dentro
Parece que come flor
Hay seres tan mohosos
Que huelan a coliflor.

Copas de árboles
Copulan con el cielo
Ringleros versos purificando
Rincones de mi bello ser.

¡Ah, luna! Su inconstante.
Hoy aquí, mañana allí
Ayer llena, hoy menguante
Diversa me hace sonreír.

La luna solitaria en cielo
Invisible canto de pájaros
Nubes oscuras en oscuro cielo
Invisible ser ajeno a los pájaros.

Las nubes en fin de madrugada
Se coloren de negro y rojo
Una se asemeja a padre e hijo
Cambiando palabras aljofaradas.

Sonrisa de luna menguante
Corrida del rio barroso
Paira y atraviesa Ipatinga
Poniendo-la insinuante.

Luna sonrisa blanca
Nubes gris, rojas, naranjas
Árboles y árboles verdes
Rio barroso marrón
Cantos pájaros
Y yo soledad acompañada.

Soledad
La inevitable soledad
En gente de cualquier edad
La acompañada soledad.

La distante montaña
Delante mí            
Por más que me adelante
Mi fuerza no adicionármela
Se no leo.
                                    

Ofereço como presente de aniversário
Kethellyn Andrade, Elizabeth M.L. Mendes, Pedro Apk, Wally Smith, Elis Nunes, Rair Anício, Sandra L. Oliveira, Graça Lopes, Matheus Brito, Valéria Lourenço, Christiano Santos, Ike Ribeiro, Osvaldo Mayevicz, Vanessa Lessa, Dulce Pereira, Fernando Vale, Felipe Wallace, Luciana Hermógenes e Patrícia Nunes.

Recomendo a leitura de A Configuração do Acaso, de Pedro Du Bois: http://pedrodubois.blogspot.com.br/2016/01/a-configuracao-do-acaso.html

Potira itapitanga são duas palavras que vem do tupi e significam “flor” e “pedra vermelha” (rubi). É meu desejo que cada leitor encontre em meus textos flores e pedras preciosas.


Escrito entre 28 de maio de 2015 e 11 de janeiro de 2016.

Um comentário:

Tatiana Brandão disse...

Oi Rubem!
Lindas palavras!
Saudades!!!
Grande abraço,

Tatiana Brandão