segunda-feira, 26 de junho de 2017

BARRA ALEGRE – RESPIRAÇÃO, INSPIRAÇÃO, DESESPERAÇÃO


  
Leitura do cronto pelo autor em:

Esta história se passa na escola E.E. Caetana América Menezes, no Barra Alegre, bairro de Ipatinga, MG. Mas, antes, o dia amanheceu sombrio. E, durante, os sóbrios professores dão suas aulas. Alguns até tentam sorrir, mas... Bem, a história foi nesta escola, mas poderia ser em outra... Acontece em todas.
- Gente! Verbo é o que permite um diálogo, que ocorra a comunicação. Por exemplo, se digo “homem”, “casa”... E aí? São apenas palavras. Mas se digo, por exemplo, “O homem entrou na casa. O homem grita na casa. O homem fugirá da casa.” comuniquei algumas coisas; aconteceu uma conversa, um diálogo com vocês. Entenderam?
- Sim, professor. – Vozeio de quase metade da turma.
- Então, no primeiro e segundo parágrafos do texto Galinha ao Molho Pardo, de Fernando Sabino, tem quantos verbos?
“Tem 23, professor!”. Diz uma aluna e outro intervém: “Não, tem 13”. “Oceis tão tudo errado. É 18”, fala o terceiro estudante.
O professor abre a boca. E, após alguns segundos:
- Não, são oito os verbos. E desconsiderando os que se repetem, quais verbos estão no passado?
- É pra dizer quantos verbos tão no passado, professor?
- Não. Não quantos, mas quais são eles.
- Era... Tinha... Um... Quase... Gabiroba...
O professor abre a boca tentando respirar. E, após alguns segundos:
- Não, não. “Era” e “tinha” estão certos. Mas “um” é numeral. Já “gabiroba” é uma fruta. Se não a conhece é só prestar atenção no texto: “... um pé de gabiroba, um pé de goiaba branca”; quando se fala em pé de goiaba já dá para saber que goiaba é fruta. Da mesma forma, ao falar pé de gabiroba é possível entender que gabiroba é fruta. E “quase” é advérbio; não é verbo. Ou você fala “eu quaso, ele quase, nós quasemos”? Os advérbios têm ligações com verbos, mas não são verbos. Advérbio é palavra invariável que expressa uma circunstância do verbo ou a intensidade da qualidade dos adjetivos ou reforça outro advérbio e, em alguns casos, modifica substan...
- Vai tomar no cu!
Na sala, dois alunos ouvem o professor; três mexem no celular; os demais conversam entre si e, entre estes, o autor do palavreado acima no meio da explicação.
Um suspiro quase lacrimoso e:
- Os advérbios não são verbos. Eles expressam uma circunstância do verbo; ou a intensidade da qualidade dos adjetivos; ou reforçam outro advérbio; ou, em alguns casos, modificam os substantivos. Os advérbios podem ser de lugar, de tempo, de modo, de negação, de dúvida, de intensidade e de afirmação. “Quase” exprime uma intensidade. Vejam: “O quintal de nossa casa era grande, mas não tinha galinheiro, como quase toda casa de Belo Horizonte naquele tempo”. No referido trecho da memória literária que Fernando Sabino escreveu dá para perceber que “quase” tem o mesmo sentido de “praticamente”; ou seja, de um grau próximo ao máximo: “quase toda casa” pode ser dito “praticamente todas as casas”. O trecho que lemos fornece a ideia de que muitas casas tinham galinheiro; quero dizer, intensifica a ideia de quantidade de casas com galinheiro.
- Aaammm!
- Então, quais são os verbos?
- Usvérbu, fessor, é “galinha ao molho pardo”.
A boca não tenta se abrir porque não entra mais ar nos pulmões.


Ofereço como presente aos aniversariantes
Sérgio R.P. Brandao, Feliciana Saldanha, Ana C. Silva, Sá Meury, Maria C. Vitarelli, Wendel Rafael, Lavinia Lemos, Helio G.T. Melo, Emi E. Rodrigues, Pedro Soares, Hudson Dias, Claudia Turatti e Rodinea Martins.

Recomendo a leitura de “Alívio”, De Girvany; “A Língua e as Mudanças Segundo as Épocas”, de Javier Villanueva; e “Manhã Sob Goiabeiras”, deste que vos fala. Os textos se encontram, sequencialmente, nos endereços:

Rubem Leite é escritor, poeta e crontista. Escreve e publica neste seu blog literário aRTISTA aRTEIRO todo domingo e colabora no Ad Substantiam às quintas-
feiras.  É professor de Português, Literatura, Espanhol e Artes. É graduado em Letras-Português. É pós-graduado em “Metodologias do Ensino da Língua Portuguesa e Literatura na Educação Básica”, “Ensino de Língua Espanhola”, “Ensino de Artes” e “Cultura e Literatura”; autor dos artigos científicos “Machado de Assis e o Discurso Presente em Suas Obras”, “Brasil e Sua Literatura no Mundo – Literatura Brasileira em Países de Língua Espanhola, Como é Vista?”, “Amadurecimento da Criação – A Arte da Inspiração do Artista” e “Leitura de Cultura da Cultura de Leitura”. É, por segunda gestão, Secretário da ASSABI – Associação de Amigos da Biblioteca Pública Zumbi dos Palmares (Ipatinga MG). Foi, por duas gestões, Conselheiro Municipal de Cultura em Ipatinga MG (representando a Literatura).

Escrito na noite 03 de agosto de 2016. Trabalhado depois disso em algum dia de janeiro e depois entre os dias 23 e 26 de junho de 2017.

Um comentário:

Tatiana Brandão disse...

Puxa! Conheço a escola e já fiz alguns trabalhos lá!
Enfim...