sexta-feira, 1 de março de 2013

RESILIÊNCIA


Obax anafisa.


- Cesfrega asfoia de melão de são nicolau, joga nucuadô, tacapodicafé, muito, praficá beeem amargo e despej’água frevente. Cenenvai prupronto socorr. Nunserá a dengue que vai te matá. – Diz a benzedeira para o cidadão.
O povo não pode ir ao médico porque tem que trabalhar.
Trabalhar ou consultar, eis a questão. Dormir na fila do posto ou descansar para trabalhar? O remédio ou a comida? Ó dúvidas cruéis.
Flores de buguenvile cobrem de branco o muro cinzento. Numa calçada um ramo de matinho desponta e no Centro uma flor rosada rompe o asfalto.
- É, Benito, de dengue não morre, mas do chá... – Disseram fulano, beltrano e sicrano ao compartilhar-lhes o ocorrido. Eu não sei se morrerão ou não. Mas será que ninguém mais viu a sabedoria popular ou a beleza das flores?


Ofereço aos aniversariantes:
Túlio Silva, Christine D.P. Sathler, Suzana G. Simões, Josiane Hungria, Isabela Guerra, André Beraldino, Mariza L. Souza, Esteban C. Pasquali e Domingos S.E. Tibúrcio.

Em banto, obax anafisa significam flores e pedras preciosas. O texto é minhas flores para você e faço votos de que encontre nele pedras preciosas.

Escrito entre 21 de janeiro e 01 de março de 2013.

3 comentários:

Rodolfo Gatti disse...

Muito bom! Vou compartilhar sim (:

Sandra Elen Arte disse...

...lindo e simples, como você...!!!

Sandra Elen Arte disse...

Simples,lindo,arte,pura,puro,popular