terça-feira, 9 de agosto de 2016

PALAVRAS

PALABRAS


Potira itapitanga.


Em português

- “O olhar é a fonte da palavra”¹.
- Interessante reflexão.
- Com estas palavras me ponho a pensar. Minha vida até que é boa. Não sofro de fome e nem sede, eu me formei na Universidade; estou ampliando meus conhecimentos e possibilidades de melhores trabalhos com melhores salários; algumas pessoas gostam de mim. – “Mas nem tanta gente assim”, penso. “E por muitos mais sou ignorado”, penso ainda. – Entretanto, quero descer a porrada em um monte de gente... Mas me calo e não faço nada.
- Por quê? Por que se cala?
- Porque as mulheres são as melhores ouvintes.
- Por quê?
- Na verdade! As mulheres e as crianças são as melhores ouvintes.
- Como?
- Se suas palavras não as convencem elas serão generosas ao dizer-lhe sem meias palavras que você é um idiota.
- Que gente ruim.
- Ruins? – Pergunto e sem esperar resposta falo ao dono da barraca no Feirarte: “Marcelo! Faça pra mim algo com álcool”. – E ele me vem com uma coisa fraca, apesar de gostosa. Porém não me deixa bêbado. “Homem, hoje quero algo forte; que me faça esquecer até quem sou”. – E ele me vem com uma coisa que taca fogo em minha garganta e que pela boca atira chamas no mundo.
- Benito! Se quer álcool... Eu sou álcool. Beija-me!
Olho seus olhos e os bebo. Mas isso é história para outra ocasião.
- Não entendi a relação entre sua vontade de descer a porrada com a atenção das mulheres...
- Não lhe disse e nem vou dizer, “mon ami”.
Olho a palmeira balançando ao vento. Está longe, mas me leva a meu interior. Não! Não leva. Eu vou por mim mesmo.
- Dizem que o diabo foge da cruz. Acho que se Deus corre de alguém é de religiões e religiosos...
Eu ainda dizia quando na mesa próxima alguém fala “... hemodiálise. Minha mãezinha não conseguia tratamento porque havia muita gente com a mesma enfermidade dela. A gente morava em São Paulo, não muito longe da capital. Então os médicos disseram que em uma cidade de Minas Gerais – Ipatinga, tinha o melhor hospital do Brasil e com menos gente precisando de seus...”.
- Fala, amigo! Quero saber.
Saio da ideia alienígena.
- O que importa é sermos o ser que somos indo para outro ser melhor.
- Falou bonito... Mas não entendi nada.
- Falei alguma coisa?


En español

- “La mirada es el puente de la palabra”¹.
- Interesante reflexión.
- Con estas palabras me pongo a pensar. Mi vida hasta que es buena. No sufro hambre y ni sed; me jubilé en la Universidad; estoy ampliando mis conocimientos y posibilidades de trabajos que pagan mejores; a algunas personas yo le gusta. – “Pero, ni tanta gente así”, pienso. “Y por mucho más soy ignorado”, pienso aún. – Sin embargo, quiero propinar unos y cuantos bastonazos al bocazas… Pero, me callo y nada hago.
- ¿Por qué? ¿Por qué se calla?
- Porque las mujeres son las mejores oyentes.
- ¿Por qué?
- ¡En verdad! Las mujeres y los niños son los mejores oyentes.
- ¿Cómo?
- Si tus palabras no los convencen ellos serán generosos al decirle sin medias palabras que eres un idiota.
- Qué malos…
- ¿Malos? – Pregunto y sin esperar respuesta hablo al dueño de la tienda en el Feirarte. - ¡Marcelo! Me hagas un poco de alcohol. – Y él me viene con una cosa débil, sin embargo exquisita, pero no me emborracha. – Tío, hoy quiero algo fuerte; que me hagas olvidar hasta quien soy. – Y él me viene con una cosa que tira fuego en mi garganta y lo saca de mi boca.
- ¡Benito! Si quieres alcohol… Soy alcohol. ¡Bésame!
Miro sus ojos y los bebo. Pero, es historia para otra ocasión.
- No he comprendido la relación entre tu voluntad de propinar bastonazos y la audición de las mujeres…
- No lo dices y no lo diré, “mon ami”.
Miro la palmera balanceándose al viento. Está leja, pero me lleva a mi interior. ¡No! No llevas. Me voy por mí mismo.
- Dicen que el diablo huye de la cruz. Pienso que si Dios corre de alguien es de religiones y religiosos…
Todavía aún decía cuando en la mesa prójima alguien habla “… hemodiálisis. Mi madrecita no conseguía tratamiento porque había mucha gente con la misma enfermedad de ella. Vivíamos en la provincia São Paulo; no mucho lejos de la capital. Entonces los médicos hablaron que en una ciudad de Minas Gerais, Ipatinga, tenía el mejor hospital de Brasil y con menos gente necesitando de sus …”.
- ¡Cuéntame, amigo! Quiero saber.
Salgo mis ideas alienígenas.
- Importa solamente ser lo que somos indo para otro ser mejor.
- Bellas palabras. Pero no comprendí tus ideas.
- ¿He dicho alguna cosa?


Ofereço como presente de aniversario
Luciana Araújo, Juninho Zeff, Alyda Sauer, Pricilla P. Leite, Vera Tufik, Dalvina S. Aredes, Teuler Guimarães, Catarina Angela, Raul Gonçalves, Ivan F. Machado, Jesus D. Duarte, Michelly Tellys e Cemario Campos.

¹ SANTOS, Auíri Tiago Nogueira. Contos Mudernos: causos do sertão. São Paulo: Catrumano, 2014. Página 125.


Escrito originalmente em espanhol no dia 27 de setembro de 2015. E trabalhado em português e espanhol entre os dias 28 de setembro de 2015 e 09 de agosto de 2016 (Devido a um problema no meu computador publiquei com dois dias de atraso).

Um comentário:

Juninho Zeff disse...

Vlw parceiro!!! thank's a lot