segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

ANO NOVO

Obax nafisa.


Orientales, la Patria o la tumba.
Libertad, o con gloria morir.
Es el voto que el alma pronuncia,
y que heroicos, sabremos cumplir¹.


Em português

Boa parte eu fiz hoje olhando de baixo para cima enquanto gozava. Deitei-me com um amante em um gramado da BR 316. Foi uma boa relação com meu amado. Muito boa.

Violinos de Vivaldi
Copas verdes d’árvores
Laranjas flores e frutos
E meu silêncio
Comunicam-se.
Paineira roseia nublado céu
Serena-me o escarcéu.
Gente gira ciranda
Vida sem comanda.
Inda sim floreia árvore
Recuso-me coração de mármore.

Foi uma boa relação com meu amado. O livro, meu amante, não teve do que reclamar... Eu menos ainda. Entre coisas mais belas ele me disse “Viverá um pouco mais, como vivesse no vaso da amada, até perceber que só de água não se vive. E, sem vida, desconhece a morte. Ou quererá ser mesmo a personagem ‘Rosa’ de um conto de flores da morte, pois, mais que objeto, será uma rosa inscrita sob a flor do lácio!”². Nada lhe respondi. Não precisava. Então, satisfeitos, meu amante e eu preparamos para atravessar a BR enquanto se aproximava um homem. Parou ao meu lado para açambarcá-la. Todavia lhe disse:
- Olá! Tudo bem?
- ¡Hola! Sí, estoy. ¿Y tú?
- O senhor não é brasileiro?
- ¡No! soy uruguayo. Mi nombre es Luis Gonzáles. ¿Y tú?
- Benito. Seu Luis, como faço para atravessar para o outro lado? Estou achando aqui tão perigoso...
- No lo sé, hijo. He nacido de este lado…


En español

Buena parte he hecho hoy mirando de bajo para arriba mientras gozaba. Me acosté con un amante en uno gramal de la Ruta 6. Fue una buena relación con mi amado. Muy buena.
Violín de Vivaldi
Copas verdes de árboles
Naranjas flores y frutos
Y mi silencio
Se comunican.
Álamo negro colore nublado cielo
Me serena la algarabía
Gente gira cantiga tamiz
Vida sin palanquilla.
Todavía florea árbol
Me recuso corazón de mármol

Fue una buena relación con mi amado. El libro, mi amante, no tenía ninguna queja… También gusté mucho. Entre cosas más bellas él me dijo “Hay de vivir un poco más, como se viviese en el florero de la amada, hasta percibir que solo de agua no se vive. Y, sin vida, desconoce la muerte. O hay de querer ser mismo el personaje ‘Rosa’ de un cuento de flores de la muerte, pues, más que objeto, hay de ser una rosa inscripta bajo de la flor del lacio”². Nada lo contesté. No necesitaba. Entonces, satisfechos, mi amante y yo nos preparamos para cruzar la Ruta mientras acércanos un muchacho. Sé quedó a mi lado para transponela. Sin embargo lo dije:
- ¡Hola! ¿Todo bien?
- Olá! Sim, está. E com você?
- ¿Usted no es uruguayo?
- Não! Sou brasileiro. Meu nome é Benito. E você?
- Luis Gonzáles. Don Benito, ¿cómo puedo cruzar al otro lado? Aquí es peligroso.
- Não sei, cara. Eu nasci deste lado...


Ofereço como presente de aniversário
Marilelia R. Ezequiel, Junior William, Elton L. Macedo e Elizabeth, Marcelo Rocha, Elizete Losignore, Ana Lucia, Edson Nascimento, Cláudio Oliveira, Rafael Fontes e Kethellyn Andrade.

Recomendo a leitura de No Fundo do Coração (Bispo Filho) e veja as pinturas de Rafael Cabral.
Respectivamente nos endereços:

¹ Himno Nacional de Uruguay. Letra: Francisco Acuña de Figueroa, música: Francisco José Debali.
² DELARTE, Willian. Cravos da Noite. São Paulo: Patuá, 2014. Conto Beladona. (A versão em espanhol é uma tradução livre minha. Recomendo que adquira e leia o livro. Delarte é muito bom escritor).

Em banto, obax nafisa significam flores e pedras preciosas. O texto é minhas flores para você e faço votos de que encontre nele pedras preciosas.


Escrito entre os dias 26 de abril de 2014 e 05 de janeiro de 2015.

3 comentários:

Josmar Divino Ferreira disse...

valeu amigão. Bom texto como sempre.

Mingau Ácido (Marcelo Garbine) disse...

Bom texto, Rubem! Pra começar bem 2015!

Anônimo disse...

Muito bom. Para quem gosta de se comunicar com o universo e para quem percebe esta comunicação que acontece numa fraçao de segundos, este texto incita à observarmos os momentos em que estes "papos" acontecem entre nós e as coisas do mundo. MUITO BOM!