segunda-feira, 8 de junho de 2015

A NOITE

LA NOCHE


Obax nafisa.


Em português

“A árvore!”, ela gritou e todos correram seus olhos até Vera. A garota voava com passo flexível tendo em sua mão um copo de arak azul e verde. Tampando-a uma doce espuma branca. “A árvore! De Olavo Bilac”, disse e todos aplaudiram sua interpretação da timidez e vergonha diante do público.
- Bem vindos ao quarto Sarau de Arak! Comam, bebam e se encantem com as palavras. E não se calem. Falem, comam e bebam!
O branco sorriso do céu
E as árvores rendeiras
Ilumina a noite
Serenam o dia.
Recita-nos Benito e em seguida lê “Lua morta \ Rua torta \ Tua porta”, poema de Cassiano Ricardo que lhe foi dado por Vera.
- Benito, sente-se conosco! – Fala Cláudio Castro e Rejane, sua esposa, sorri. Também sorriem Robinson Ayres e Maura, sua esposa. Os quatro recebem Benito e a mim e conosco discutem suas ações de melhoria da cidade.
Na mesa próxima, um par de olhos o olha com tédio e antipatia. Mas ele não percebe nada e se senta tranquilo. Nena de Castro, Goretti de Freitas e Nancy Maestri leem bons poemas. Tiago Lauar canta e encanta.
- Com licença! Vou musicar um pouco. – Diz Claudio e uma borboleta amarela e negra sai de seu violão. A borboleta amarela tinha largas linhas negras.
Tanta gente boa e eu lhes faço companhia.
- Noite, eu vou embora. Vem comigo?
E saímos juntos diante do olhar da lua. Ainda caminhávamos quando Benito se sentiu cansado e na rua dormiu. Os olhos com tédio e antipatia da mesa próxima lhe deu um sedativo sem ele perceber...


En español

“¡El árbol!”, ella gritó y todos corrieron sus ojos hasta Vera. La muchacha volaba con paso cimbreante teniendo en su mano un vaso con arak azul y verde. Tapándola una dulce espuma blanca. “¡El árbol!, de Olavo Bilac”, dice y todos aplaudieron su interpretación de la timidez y vergüenza delante el público.
- ¡Bien venidos al cuarto Sarao de Arak! Coman, beban y se encanten con las palabras. Y no se callen. ¡Hablen, coman y beban!
La blanca sonrisa del cielo
Y los árboles tejedores
Iluminen la noche
Llenándonos de celo.
Recítanos Benito y en la cola leer “Luna muerta \ Calle tuerta \ Tu puerta”, poema de Cassiano Ricardo.
- Benito, ¡siéntate con nosotros! – Habla Claudio Castro y Rejane, su esposa, sonreír. También sonrieren Robinson Ayres y Maura, su esposa. Los cuatro reciben Benito y a mí y con nosotros discuten sus acciones de mejoría de la ciudad.
En la mesa prójima, una pareja de ojos lo mira aburrida y con antipatía. Pero él nada percibe y se sienta tranquilo. Nena de Castro, Goretti de Freitas, Nancy Maestri leen buenos poemas. Tiago Lauar canta y encanta.
- ¡Permiso! Voy a musicar un poco. – Dice Claudio y una mariposa amarilla y negra sale de su guitarra. La mariposa amarilla tenía anchas líneas negras.
Tanta gente buena y los hice compañía.
- Noche, me voy. ¿Viene conmigo?
Y salimos juntos delante la mirada de la luna. Todavía caminábamos cuando Benito sintió cansancio y en la calle durmió. Los ojos aburridos y antipáticos de la mesa prójima le dieron sedante sin él percibir…


Ofereço como presente de aniversário a:
Amanda Vita, Moisés Salatiel, Ubirathan do Brasil, Luciano A. Maciel, Thieres Tayroni, João Camargo, Fabi Dolabela, Claudiane Dias e Bryan S. Rodrigues.

Recomendo a leitura de (sem título), de Karine Faria; e (sem título) de Rafael Cabral:

Em banto, obax nafisa significam flores e pedras preciosas. O texto é minhas flores para você e faço votos de que encontre nele pedras preciosas.


Escrito originariamente en español en el principio de la tarde de 24 de mayo de 2015 y reescrito entre el día siguiente y 08 de junio del mismo año. Perdóname cualquier error. ¡Gracias!

6 comentários:

Josmar Divino Ferreira disse...

Rubem Leite seus textos literários chegaram a perfeição e ainda continuam melhorando.Sempre é um prazeirosa a leitura destas belezuras. Parabéns.

Josmar Divino Ferreira disse...

Rubem Leite seus textos literários chegaram a perfeição e ainda continuam melhorando.Sempre é um prazeirosa a leitura destas belezuras. Parabéns.

João Camargo disse...

Muito bacana ler seus escritos agora. Obrigado pela lembrança. Ótimo texto.

Jonas Nogueira disse...

Você é um excelente escritor.
Já virou rotina vir aqui ler seus textos =]

Anônimo disse...

Meu amigo Rubem você nasceu um grande poeta, uma alma cercada de letras por todos os lados. Adoro seus textos, seus poemas, sua candura "escrevinhal", vai amigo contando tudo desse mundo artístico que eu amo ler! Bjkkks

Rita Eneida disse...

Não sou "anônimo, sou Rita Eneida, viu? Verdade o que escrevi acima! Mais Bjkkks